sábado, 26 de abril de 2014

Bolo de Flocão

Postado por: Marília


Foi numa reunião de trabalho que experimentei esse bolo e foi amor a primeira mordida.
Embora não sejam idênticas, me lembrou a broa de fubá da minha tia Fany. Gostinho de infância sabe?




Untei e enfarinhei uma forma de furo no meio - tamanho médio - e preaqueci o forno a 200º. 
Em uma panelinha, misturei 2 xícaras (chá) de flocão, 2 1/2 xícaras (chá) de leite, 1 xícara (chá) de açúcar e 1/2 xícara (chá) de óleo. Levei ao fogo brando até iniciar fervura. Desliguei o fogo e deixei esfriar bem.
Em uma tigela grande, despejei a mistura e acrescentei 3 gemas, 1 xícara (chá) de coco ralado, 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo peneirada e  1 colher (sobremesa) de fermento em pó. Misturei bem até tudo ficar homogêneo. Bati as 3 claras restantes em neve (ponto firme) e delicadamente foi incorporando-as na massa. Levei para assar até dourar lindamente - coisa de 45 min.


Fofinho... quentinho... uma delícia!!


Minhas considerações:

- costumo utilizar o Kimilho Flocão da Yoki; 

- na receita original vai menos leite e não vai farinha de trigo. Mas dei meu pitaco e eu prefiro a minha versão, mais úmida.

- Passe um café fresco e corra para o abraço. Vai ser lindo!

- Não é um post patrocinado.


Bom apetite!

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Torta de Pão (Velho)



Postado por: Marília

Tem um tanto de pão sobrando aí na sua despensa e não sabe o que fazer com ele? 
Que tal uma torta salgada para o lanche da tarde ou até para o jantar?
Olha só:





Faz um tempão que vi essa torta lá no Panelaterapia e, desde então, fiquei ensaiando para fazê-la. Como no aniversário da filhota sobraram pães do lanche de pernil - receita em breve! - vi a oportunidade de testar a receita e ainda repor o estoque de farinha de rosca  \o/ (rs).


Essa delícia eu preparei assim: untei o fundo do refratário (grande) com margarina e farinha de rosca. Piquei grosseiramente 6 pães (tipo francês) acomodei-os na forma e reguei com azeite. Numa tigela, bati 3 ovos, acrescentei 1 1/2 xícara (chá) de leite, um punhado de queijo parmesão ralado - que estava sobrando na geladeira - e  temperei com sal e pimenta do reino. Reguei os pães com essa mistura e reservei.
Piquei em quadradinhos pequenos 250g de muçarela fatiada, meia cebola e um tomate grande - com as  sementes - distribui sobre os pães. Polvilhei orégano para finalizar.
Levei para assar em forno a 180º pré aquecido até dourar. 

Bom dimais da conta!




Minhas considerações:

- Embora tenha feito só com queijo e tomate, acredito que as possibilidades de recheios sejam muitas: sobras de frango assado, carne desfiada, escarola refogada, pimentões, sardinha... o céu é o limite!

- Caso opte por servir no jantar, providencie uma bela saladinha e será uma refeição completa!

- Como sobrou um tanto, conservei em geladeira, aqueci na hora de comer e continuou ótima!

Bom apetite!

terça-feira, 15 de abril de 2014

Petit Larousse do Chocolate

Postado por: Marília

Ganhamos este magnífico livro da querida Carla Nogueira. Quando o Lu contou - por SMS - que havíamos ganhado um livro, não criei nenhuma expectativa. Quando quando nos encontramos e eu vi que não era um livro, mas sim o livro, quase morri!!

Quer ver o que ele tem de tão especial? Vem comigo...




O organizador dessa obra prima é o Instituto Le Cordon Bleu que, para os amantes da gastronomia, dispensa apresentações. 


O livro é dividido em categorias como bolos, tortas, mousses e cremes, sobremesas geladas entre outras tentações. Saca só:


Orientações gerais, como escolha dos ingredientes, utensílios e cozimentos também são citados. Achei super bacana a forma (bem) ilustrada de algumas técnicas importantes, como por exemplo enrolar um pão de ló, cobrir bolos, forrar formas de tortas, entre outras dicas que aumentam (e muito!) as chances de sucesso das preparações.



Presentão né? 

Ah, a Carla tem um blog. Dá uma passadinha na cozinha dela. É por aqui...

Cuca de Goiabada

Postado por: Marília

Esfriou né? E esse tempinho com chuva só me faz desejar estar no aconchego do meu lar. Se tiver uma manta e bolo recém assado então é perfeito!

Vi esta Cuca de Goiabada no site do Gastronomismo no especial de Comida Gaúcha. Se a imagem enche os olhos, o sabor então... é divino!





Fiz assim: numa panela pequena levei ao fogo brando 1/2 xícara (chá) de leite com 2 colheres (sopa) de manteiga, apenas até derretê-la. Numa tigelinha, preparei a esponja para a massa do bolo: 1 colher (sopa) de fermento biológico seco, 2 colheres (sopa) de açúcar e acrescentei aos poucos água morna até virar uma pastinha. Deixei descansar com 10 minutos.

Numa outra tigela acrescentei 2 xícaras (chá) de farinha de trigo e 1/2 xícara de chá de açúcar. Fiz um buraco no centro e acrescentei a mistura do fermento e 1 ovo. Fui misturando com as mãos e acrescentando aos poucos a mistura do leite morno. Continuei mexendo até a massa ficar homogênea. Tapei a tigela com uma pano limpo e deixei a massa descansar por 20 minutos.

Enquanto a massa crescia preparei a farofa com 1 xícara (chá) de farinha de trigo, 1 xícara (chá) de açúcar e 100g de manteiga gelada cortada em cubos. Para dar sabor, acrescentei 1 colher (sobremesa) de canela em pó. Fui mexendo com as pontas dos dedos até todos os ingredientes estarem agregados. Coloquei na geladeira até o momento de utilizá-la.

Untei e enfarinhei uma forma de bolo inglês e despejei a massa. Acrescentei 50g de goiabada cortada em cubinhos dentro da massa, afundando-as dando espaço entre elas. Sobre a massa, despejei a farofa e utilizei mais 50g de goiabada cortada em cubinhos para a cobertura. Levei para assar em forno pré aquecido a 180º por aproximadamente 30 minutos.

O cheiro que fica pela casa é delicioso!

Minhas Considerações:


- a água para a esponja deve estar morna. Isso é muito importante. Se fria, o fermento não será ativado. Se quente demais, os micro-organismos presentes morrerão e seu bolo vai embatumar!

- embora seja utilizado o fermento biológico, o ponto da massa é molinho, lembrando a massa de bolo mesmo e não de pão;

- sugiro que inicie preaquecendo o forno, untando e enfarinhando a forma; picando a manteiga (reserve na geladeira até a utilização) e a goiabada - que deve ser aquela molinha para derreter bem. Com a cascão não chega-se a este resultado).

- Embora pareça trabalhoso a execução é extremamente simples e vale muito a pena. Recomendo fortemente!

Bom apetite!


quarta-feira, 9 de abril de 2014

Macarrão com Legumes e Bacon

                                                                                                                                                              Postado por: Marília



Uma forma de variar o macarrãozinho nosso de cada dia que fica leve e delicioso!

Primeiro passo é colocar a água do macarrão para ferver- lembrando que a proporção para um bom cozimento é de 1 litro de água salgada para cada 100g de massa.

Aqueça uma frigideira grande e frite bacon em lascas (algo em torno de 100g) até dourar, Acrescente uma cenoura descascada e cortada em bastões e deixe refogar até cozinhar. Se necessário, acrescente um pouquinho de água, coisa de 1 colher de sopa. Quando a cenoura estiver cozida, porém firme, acrescente uma abobrinha cortada em bastões e sem as sementes. Deixe refogar mais um pouco. Quando cozida, acrescente alho picadinho e deixe fritar levemente. Acerte o sal. Reserve.

A essa altura, a água já deve estar às borbulhas. Cozinhe a massa de tua preferência conforme as instruções do fabricante. Escorra e junte com o refogado da frigideira, cuidando para não mexer demais e quebrar o macarrão. 


Minhas Considerações:

- A massa e os legumes devem estar al dente - que é quando estão cozidos, mas oferecem resistência ao serem mordidos. 

- Se quiser acrescentar tomates picados, cebolas, azeitonas... fique a vontade. Solte sua imaginação. Nesta preparação usei o que tinha na geladeira.


Bom apetite!

Bacalhau, ora pois!

                                                                                                                                                              Postado por: Marília

Não sei você aí, as eu amo bacalhau.
Aqui em casa o pessoal torce o nariz; daí que sou obrigada a comer sozinha - que pena!

Veja só se dá pra resistir:


Com batatas ao murro, cebolas e alhos assados e muuuito azeite (do bom)!


Preparei o meu rico bacalhau a moda portuguesa - mesmo. Isso significa dose extra de paciência e disciplina, porque a dessalga dura seis dias. Pode dizer que é loucura. Mas vale muito a pena.
Se quiser encarar o desafio, aí vai:

Lavei em água corrente para retirar o excesso de sal uma bela posta de bacalhau. Acomodei-o em uma travessa em que ficasse completamente submerso por água. Durante o tempo de molho, a pele deve ficar para cima, pois ficando por baixo, ela impedirá a eliminação do sal. Sacou? 

Coloquei o bacalhau na última prateleira da geladeira. Ao lado, coloquei uma outra tigela apenas com água. Segundo os portugueses, a água para o dessalgamento do bacalhau deve ser gelada. A cada 24h alternei o peixe de tigela, trocando a água do último molho.

No sexto dia (ufa!), retirei o bacalhau da água e descartei-a. Levei para assar em forno médio baixo, com a pele para baixo sobre uma grelha. Quando o bacalhau começou a "sorrir" tá no ponto. Assim ó:


Óia só que sorriso mais lindo!


Retirei do forno, removi as espinhas e mergulhei-o numa tigela com azeite honesto. Deixei descansar nesse "banho" de um dia para o outro.



Aqueçi o bacalhau neste azeite e sirvi com batatas ao murro, cebolas e alho assados.
Dá trabalho, mas vale muito a pena. Vai por mim.




Bom apetite!